5 empresas que aplicaram (muito bem) o Growth Hacking

growth-hacking-descola.jpg

O Marketing Exponencial, também conhecido como Growth Hacking, é um caminho que reúne estratégias, normalmente chamadas de Hacks, que são mais incisivas na busca por impactar os usuários e ampliar o crescimento. “O objetivo destas estratégias é sempre impulsionar de forma rápida o crescimento de um negócio, e funciona como uma estratégia auxiliar ao Marketing tradicional”, explica o empresário especialista em Marketing Digital de Performance, Fábio Ricotta, fundador da Agência Mestre.

Segundo Ricotta, estas estratégias são capazes de aumentar de forma exponencial, mas funcionam plenamente quando associadas a outras táticas. “Mesmo assim, muitas pessoas se confundem sobre quais estratégias podem ser chamadas de Hacks, e a melhor forma de fazer isso é listando exemplos de empresas reais”, ensina.

1- Pinterest
Segundo Ricotta, um exemplo de Hack focado no crescimento foi realizado pela rede social Pinterest. A empresa, após perceber que as pessoas não se sentiam à vontade para seguir outros perfis no começo, passou a inscrever os novos usuários automaticamente em perfis selecionados de alta qualidade. “Este hack foi uma forma de garantir melhor experiência do usuário, fazendo com que ele não se sinta perdido e permaneça na rede social”, explica o especialista.

2- AirBNB
Para conquistar a satisfação dos novos usuários e crescer mais rapidamente, o sistema de anúncio e reservas de acomodações AirBNB colocou todos os quartos, casas e apartamentos também no Craiglist, um portal internacional de anúncios de imóveis. “Esta estratégia aumentava as chances de um imóvel ser alugado, e com isso mais pessoas começaram a usar o serviço”.

3- Twitter
Segundo Ricotta, o Twitter é um ótimo exemplo de como o Growth Hacking pode ser usado não apenas no começo de um projeto, mas após uma queda. “Depois de sofrer uma queda de usuários, o Twitter percebeu que as pessoas tinham mais tendência de ficar na rede quando seguiam uma grande quantidade de perfis, e começou a fazer mais indicações aos novos usuários”, conta.

4- LinkedIn
Outra rede social que se baseou no Growth Hacking, o LinkedIn fez algo simples, mas que fez muita diferença: permitiu a criação de perfis públicos. “Ao fazer isso, os perfis na rede passaram a ser encontrados pelo Google de forma orgânica, o que levou mais pessoas a criarem perfis por lá”, explica o empresário.

5- Dropbox
O sistema de armazenamento de dados em nuvem buscou formas de expandir a sua quantidade de usuários através de um sistema de gamification. “Uma vez que um usuário convidasse outros, ele ganhava em sua conta um espaço adicional sem custo para cada indicação”, explica Ricotta, que conta que a técnica aumentou o número de usuários do Dropbox em 60%.

Anúncios

Os comentários estão desativados.